Script Macromedia Flash
   
Topo 1

Infecção congénita por Toxoplasma gondii  (A vigilância primária terminou a 31 de Dezembro de 2008)
Objectivos do estudo
Objectivos primários:
Conhecer o número de novos casos diagnosticados por ano em Portugal, a sensibilidade e especificidade dos exames utilizados para o seu diagnóstico, as manifestações e sequelas da infecção congénita e a sua eventual relação com o genotipo da estirpe de T. gondii responsável pela infecção, quando for possível determiná-lo.
Objectivo secundário:
Determinar se a política de rastreio universal da grávida deve ser mantida.
Metodologia

O estudo será realizado através da UVP de SPP em parceria com o INSRJ. Os cartões da UVP serão enviados a todos os pediatras e neonatologistas. Deste modo serão englobadas no estudo todas as crianças diagnosticadas após o nascimento e também as situações seguidas nos Centros de Diagnóstico Pré-Natal de que os neonatologistas e pediatras são parte, possibilitando o conhecimento dos casos de IMG por esta infecção.

O método de captura e recaptura será realizado em colaboração com os laboratórios de referência para a toxoplasmose em Portugal.

A identificação do médico assistente é muito importante, uma vez que permite o contacto posterior para conhecimento da evolução da criança.

O estudo terá a duração inicial prevista de 2 anos. Os resultados serão publicados em revista indexada, em língua inglesa.

Definição de caso
Serão englobados no estudo todos os RN filhos de mãe com:
  1. Seroconversão comprovada durante a gravidez
  2. IgM e IgG positiva qualquer que seja o valor da avidez
  3. IgM positiva com IgG negativa
  4. Criança a que tenha sido pedida PCR do Toxoplasma gondii no LA
  5. RN com infecção provável diagnosticada “de novo“
  6. Todos os casos em que o pediatra suspeite de infecção congénita por Toxoplasma gondii
Investigadores
Maria Teresa Neto

Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais do Hospital de Dona Estefânia.
Tel.: +351 213 126 613
Fax: +351 213 126 602
teresaneto@netcabo.pt

Helena Ângelo

Laboratório de Parasitologia, Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
Tel.: +351 217 519 294/5
Fax: +351 217 590 441
helena.angelo@insa.min-saude.pt

 
Protocolo(33 KB)
Inquérito para impressão e envio tradicional(28 KB)
Impresso para obtenção de consentimento paternal (deve ser guardado pelo médico notificador)(42 KB)
Notas
Perante dúvidas na notificação de um caso, designadamente em relação à sua definição, pede-se ao médico notificador que contacte o respectivo grupo de investigadores.
No caso de vários médicos observarem o mesmo caso, este deve ser notificado por cada um deles. Na fase seguinte de resposta a um breve inquérito, as eventuais duplicações serão identificadas e eliminadas.
No caso de, durante o mês em questão, o médico não ter observado nenhum caso das entidades sob vigilância, é muito importante que devolva o “Cartão de Notificação“ assinalando no local “Nada a notificar“.